Oportunidades na Gestão de Pessoas para agir em 2017 no Brasil

By 9 de março de 2017Blog, Gestão de pessoas
Equipe RH treinamento gestao de pessoas

Por mais válidas que sejam as tendências das principais preocupações dos lideres da área de recursos humanos capturadas pelas pesquisas internacionais, é preciso refletir um pouco mais sobre o nosso ambiente brasileiro, suas exigências e suas oportunidades.

Em qual cenário você está?

De um lado, alguns segmentos da economia podem se dar ao luxo de não pensarem somente no curto prazo. Afinal a economia vai se recuperar mais cedo ou mais tarde. E esta é a oportunidade de criar e implantar projetos de maturação mais longa e estar bem posicionados quando o ritmo voltar ao normal. Por exemplo, reter pessoas de bom desempenho é fundamental para a retomada.

Perguntas-chave:

  • Quais são estas pessoas?
  • Como motivá-las a continuar?
  • Quais instrumentos práticos podem ser utilizados?

Mas a realidade é cruel e muitas vezes, para ultrapassar a tempestade é preciso se recolher, redobrar os esforços para conseguir sair à frente com mais energia. Aqui a oportunidade é de rever processos, estruturas e fortalecer a cultura. Uma boa época para mudanças de estratégias, políticas e procedimentos. Uma boa ocasião para renovar a empresa, em maior ou menor grau.

Perguntas-chave:

  • Quais são as pessoas, com as quais podemos contar?
  • Como motivá-las a reaprender?
  • Que ferramentas podem ser utilizadas para facilitar estas ações?

São portanto dois cenários antagônicos. Claro, com exigências diferentes, mas ambos com muito trabalho pela frente.

Seja em qual deles você se localiza (e pode haver outros entre eles) o importante é direcionar os esforços na direção correta e consciente.

Mas, como vimos, nos dois existe uma pergunta básica: com que pessoas podemos contar e o que devemos provocar/estimular/oferecer a elas? Que ferramentas podemos utilizar para as ações?

Um cenário inevitável

Antes de responder às questões, é preciso observar que existe mais um outro cenário que corre em paralelo, independente das condições do negócio: são as facilidade oferecidas pelo mundo digital. É uma realidade disponível, mas que também precisa de uma análise crítica, no sentido de ser compatível em custos e tempo de atendimento para as empresas.

A grande oportunidade: aumentar a maturidade digital

Seja no conhecimento do perfil das pessoas, seja nas atividades de engajamento, seja nas novas ferramentas de apoio a solução passa pela maturidade digital das áreas, isto é a consciência sobre o uso pragmático das plataformas, aplicativos, ferramentas de pesquisa e analíticas, objetos de aprendizado digital.

É aqui que surgem as oportunidades: A nossa experiência que combina a visão de negócio e o conhecimento da tecnologia digital direcionada à gestão de pessoas, permite dizer que as oportunidades estão no espaço das soluções mistas (ações e interações virtuais e físicas) que combinam o melhor de cada um dos mundos reais e digitais.

Como exemplo disto, cito as soluções de aprendizagem “blended”, os assessment com etapas presenciais e virtuais ou mesmo a implantação de processos de mudanças com momentos interdependentes de ações pessoais e sociais apoiados por ferramentas digitais. Apoiadas por técnicas de jogos/simuladores, vídeos interativos, e-learning dinâmicos, cases interativos, vocês terão uma boa resposta para o momento atual.

Entendo que cada empresa e respectiva área de RH, bem como seus diversos públicos alvo, estão em seu próprio momento de maturidade digital, se esforçando para inovar seus próprios processos e tecnologias para fazer mais com menos. Sempre poderão avançar no ritmo do viável com projetos de curto, médio e longo prazo. Mais eficácia, mais qualidade, mais agilidade, menos tempo, menos custos. É o que 2017 esta a nos exigir.

modelo canvas para projetos e-learning
Spyer Prates

About Spyer Prates

Empresário no segmento de Consultoria e Treinamento. Com mais de 20 anos de experiência em desenvolvimento organizacional e gestão de pessoas. Participou da criação do CTE da Fundação Dom Cabral, onde introduziu jogos educativos para programas corporativos. Autor do livro A arte brasileira de Administrar. Foi pioneiro no Brasil em jogos para assessment em processos seletivos on-line. Autor de mais de 100 business games e serious games. Atualmente, sócio Diretor da DOCTA.